As audições são, provavelmente, os momentos de maior stress vividos pelos cantores de ópera. São ainda mais assustadores do que uma performance numa produção operária ou num concerto de Lieder.

De alguma forma tira-te da zona de conforto e faz-te sentir que estás a ser totalmente avaliado e, até, analisado. Não podemos estar na cabeça do painel de jurados. Não podemos prever respostas. Não podemos imaginar o que eles pretendem ver e ouvir precisamente.

Um dos piores aspectos no que diz respeito a fazer audições é o curto tempo que temos para nos apresentarmos. Normalmente são cerca de 10 minutos para cantar o melhor que pudermos e mostrar o trabalho que vem sendo feito durante anos. E pode ser tão frustrante!

E sobre os dias que precedem a audição: podem ser totalmente enervantes. Quer-se cuidar muito bem da voz. Quer-se comer e dormir bem. Quer-se relaxar o mais possível. Mas sente-se sempre ansiedade… E isso torna-se ainda mais stressante se se pensar que o momento que ansiamos, dura apenas uns minutos.

No livro “Caruso and Tetrazzini on the Art of Singing” – sobre o qual escrevi um artigo que se pode ler aqui – li o seguinte:

“O caminho é cheio de desencorajamentos e dificuldades, mas há sempre algo novo e interessante para aprender e para alcançar sucesso, ou pelo público ou pelo círculo familiar, vale a pena todo o trabalho que se pode ter.” – L. Tetrazzini

Mas como lidar com a ansiedade? Como suavizar estes sentimentos de stress?

Richard Miller em “On the Art of Singing” afirma:

“A melhor cura para a ansiedade na performance é, então, desviar a atenção de si mesmo através da aquisição de uma técnica vocal confiável, excelente preparação musical e textual, procedimentos sistemáticos de ensaios, performances frequentes, uma atitude realística face às próprias capacidades, e generosidade de coração relativamente aos colegas e ao público.  – R. Miller

 

por Marina Pacheco

[Fotografia: Krystallenia Photography]