Provavelmente um dos parâmetros mais importantes no que diz respeito a um percurso bem sucedido, mas também um dos mais desafiantes no que toca a área artística: consistência.

As emoções ditam, várias vezes, muitos questionamentos e as incertezas assolam-nos querendo comprometer a determinação que nos caracteriza quando escolhemos esta profissão.

Recebo mensagens de desabafo, de pedidos de orientação, de tentativas de perceber como encarar períodos como este de modo mais pro-activo… e a verdade é que tudo faz parte. Aceitemos os dias menos bons, aceitemos as dúvidas, aceitemos o crescimento que isso nos traz.

E logo a seguir é importante recentrar e perceber o que nos move na realidade… e aposto que a resposta de todos é: o AMOR a esta Arte tão bonita e tudo o que ela representa.

Portanto, com foco nisso procuremos a consistência do nosso empenho para que, a qualquer momento, possamos voltar a palco com o mesmo foco e entrega de sempre.

Há dias que serão mais fáceis do que outros, mas até aí encontramos respostas…

Acredito que para muitos que não são da área seja difícil entender a dupla sensação de impotência e perda que experienciamos: a falta de trabalho e a falta de palco (e não, não são a mesma coisa; mesmo que o trabalho seja no palco 😉). E aqui não se explica… sente-se. ❤