Recebo frequentemente pedidos de conselhos, dicas e algumas orientações por parte de pessoas mais jovens que querem seguir esta carreira que eu escolhi abraçar como forma de vida.
Porque acho que pode eventualmente ecoar entre todos nós da área (e não só), resolvi partilhar algumas das minhas ideias e forma de estar, numa perspectiva que se foi moldando com a vida e com a experiência.
1. Cada um vale por si próprio. Somos diferentes uns dos outros e só por isso já temos a nossa identidade e não precisamos de nos comparar com ninguém. Uns gostarão, outros não! Acima de tudo, é essencial respeitarmos aquilo que somos e amarmos as nossas características;
2. Não julgar (nem o próximo, nem a nós próprios). Cada um tem o seu caminho, tem o seu crescimento e tem um lugar no mundo. Não somos máquinas, somos seres humanos e correm-nos nas veias muitas emoções;
3. Aprender com o próximo. Se possível trabalhar sempre com alguém melhor do que nós e absorver com a maior gratidão a oportunidade de crescer e ser todos os dias um bocadinho melhor do que no dia anterior (e não melhor do que outro ser humano!!!);
4. Ouvir a própria intuição. Haverá muito boa vontade (#soquenao) e muitos palpites. A última palavra e a última vibração a ressoar vem do NOSSO INTERIOR;
5. Perceber e conhecer o meio em que nos movimentamos. Respeitar toda e qualquer pessoa com quem trabalhamos e aprender a conhecer em quem confiar (na dúvida, não confiar logo);
6. Este ensinamento vem da minha mãe: “Não te justifiques. Os teus amigos não precisam de explicações e os teus inimigos não acreditam”. Rege o teu caminho pelo respeito, ética e idoneidade e chegarás sempre ao fim do dia de consciência tranquila;
7. Acredita em ti e NUNCA percas o encantamento pela tua Arte;
8. Pauta todo o teu percurso pela palavra-chave AMOR. Amor por Ti, pelo Próximo, pela tua Profissão, pelo Público, pelo Palco, pela Arte, pela Vida.
É “só” isto…
por Marina Pacheco
[Fotografia: Emilie Lauwers]