Desde sempre soube que a minha carreira passaria pela música, por uma área mais sublime e mais exigente.

Talvez por vir de uma família extremamente dedicada ao trabalho, com uma atitude de imenso comprometimento e implacabilidade na falha, percebi desde logo que acabaria por enveredar por um caminho idêntico. Sou muito exigente comigo mesma, sou focada; por vezes até demasiado no que respeita os defeitos e as questões a melhorar. Como tudo na vida, o equilíbrio é fundamental também na hora de gerir a carreira.

Neste percurso profissional como cantora de ópera, apercebi-me de que a formação é constante e sem fim. Há sempre algo a aprender e cada aula é uma descoberta. É um fascínio poder ter uma aula de canto. Ser cantor de ópera é ser atleta de alta competição na área da música erudita. O cuidado permanente com o corpo e a voz impõe uma atenção com tudo e uma prática diária cuidada. E a cereja no topo do bolo é ter uma aula de canto com alguém que tem sempre algo para nos acrescentar.

Nestes últimos anos não pude ter todas as aulas de que gostaria. Quem trabalha nesta aérea sabe o quão dispendioso pode ser; não só a aula mas as despesas associadas, pois os professores não moram, com certeza, ao lado das nossas casas. Que jeito daria!

Contudo, tenho sido presenteada, já por várias vezes, com gestos de imenso altruísmo. Vários professores recusaram receber qualquer pagamento e isso é das provas mais bonitas de consideração, de admiração e um incentivo claro a continuar o meu percurso.

Naturalmente por questões de confidencialidade não poderei revelar nenhum nome. Essas pessoas sabem quem são e, exatamente por considerarem que o seu trabalho é uma missão, não precisam sequer dessa publicidade.

Um destes professores nem me conhecia quando me deu a primeira aula e recusou o pagamento (normalmente esta situação acontece quando já sou uma aluna frequente) e eu agradeci-lhe com a maior sinceridade possível e recebo a mais honesta resposta:

“É a minha missão e eu não preciso de dinheiro neste momento. Leva os meus conhecimentos e guarda-os. É o melhor que te posso oferecer.”

Ser cantora de ópera não é só cantar e estar em palco; é poder aprender a arte e a técnica do canto e ainda aprender o que é altruísmo na sua verdadeira essência.
A todos os que me deixaram sem palavras, a todos o que me incentivaram a continuar, não deixando de exigir de mim mas valorizando igualmente as qualidades: Obrigada!

por Marina Pacheco

[Fotografia: Krystallenia Photography]